População residente: 39.178 pessoas
Área territorial: 1.888 Km²
Eleitorado: 30.117 Eleitores
Bioma: Cerrado e Mata Atlântica

População residente por cor ou raça:
População residente - Branca: 11.997 pessoas
População residente - Preta: 1.269 pessoas
População residente - Parda: 25.573 pessoas

População residente por rendimento:
Rendimento nominal mensal até 1/4 do salário mínimo: 1.697 pessoas
Rendimento nominal mensal de mais de 30 salários mínimos: 24 pessoas
Domicílios particulares permanentes: 11.793 domicílios
Domicílios com abastecimento de água: 9.635 domicílios
Domicílios com energia elétrica: 11.498 domicílios

Informações sobre Ensino:
Matrículas - Ensino fundamental: 6.598 Matrículas
Matrículas - Ensino médio: 2.263 Matrículas
Docentes - Ensino fundamental: 376 Docentes
Docentes - Ensino médio: 172 Docentes

Informações econômicas:
PIB per capita a preços correntes: 5.602,6 Reais
Receitas orçamentárias realizadas - Correntes: 3.489.257.817 Reais
Despesas orçamentárias empenhadas - Correntes: 3.009.444.721 Reais
Valor do Fundo de Participação dos Municípios - FPM: 1.321.605.930 Reais
Número de empresas locais: 1.082 empresas
Pessoal ocupado total: 5.587 Pessoas

Informações sobre endereços:
Total de endereços urbanos: 12.943 endereços
Total de endereços rurais: 4.161 endereços

A grande investida por estas paragens principiou em 13/06/1554, quando o desbravador Francisco Bruzza Espinosa partiu de Porto Seguro/BA e percorreu toda essa região do Norte de Minas, chegando até o Jequitinhonha, Rio Pardo, Serra das Almas, Itacambira etc.
Um século depois, em 1663 o famoso Conde da Ponte, por concessão de sesmaria, compras, iniciou a ocupação desta região. Por volta de 1698, o bandeirante Antônio Luiz dos Passos estabelecia uma fazenda de criação de gado às margens do Rio Pardo, e daí percorreu toda essa região, a procura de riquezas. Numa dessas incursões chegou às margens de um rio pouco caudaloso e encontrou ricas jazidas de salgemas, produto precioso por ser oficial naqueles ermos. Os índios que habitavam esta região eram os Tapuias da Nação G.

Felisbello Freire, no seu libro "História Territorial do Brasil", registrou a primeira concessão de uma sesmaria no município de Salinas em nome do Capitão Inácio de Souza Ferreira em 16/01/1734, cujo nome era sitio que se chama São José.

Em petição datada de 05/04/1830 o Capitão Mor Theodoro de Sá e sua consorte, declaram que são donos e proprietários da fazenda "Pé da Serra" (Matrona), que a mais de noventa anos eram donos dessas terras através de inventário, conforme escrituras na era de 1735.

A Câmara Municipal de Minas Novas/MG, em 30/04/1830, respondia a uma informação de sua Majestade Imperial, dizendo que "o povo da Fazenda da Salinas ergueu uma Casa de Oração sem licença do prelado e sem provisão imperial em 1828".

Em 20/08/1833 era emancipado o distrito de Rio Pardo, pertencente a Minas Novas/MG, e o distrito de Salinas era incorporado ao município de Rio Pardo.

Em 24/12/1838, era realizado um recenseamento, onde habitavam no Arraial de Santo Antônio de Salinas, 248 pessoas.

Em 15/02/1855, Dona Ana Maria de Araújo, proprietária da fazenda Ribeirão, doou um pedacinho de terra para que nela fosse construído um cemitério coberto com casas precisas para este fim.

Pela Lei n° 730 de 16/05/1855, eleva a Freguesia o distrito de Santo Antônio de Salinas do município de Rio Pardo.

Lei n° 2725 de 18/12/1880 - Assembléia Legislativa Provincial de Minas Gerais.

artigo 1° - fica elevado à categoria de Vila o Arraial de Santo Antônio de Salinas, devendo a mesma ser instalada, depois que seus habitantes houvessem oferecido à província os edifícios com as acomodações necessárias para a câmara, cadeia e escola de instrução primária.

§ 1° O Município desta Vila ficará pertencendo à Comarca de Grão Mogol/MG e terá todos os ofícios de justiça criados por Lei Federal

As lideranças locais indicaram os senhores Antônio dos Anjos da Silva Sobrinho, o professor Ramiro Ramires de Almeida Lopes e o padre Benício José Pereira, para dentro do prazo de 3 (três) anos preparar e organizar o Arraial para se transformar em Vila, obedecendo às exigências da Lei.

Em 18/12/1880, eram incorporados ao novo município os distritos de Águas Vermelhas, Pajau (Cachoeira de Pajeú), Catinga (Pedra Azul), e posteriormente Bom Jardim das Taiobeiras (Taiobeiras).

Realizadas as eleições, 19/01/1883 sob a presidência do presidente da Câmara Municipal de Rio Pardo, Conrado Caldeira foram diplomados e empossados os sete vereadores:

Antônio dos Anjos da Silva Sobrinho (presidente)
Onofre Valente Franco (vice - presidente)
Carlos Dias Torres
Donério Pereira Araújo
Luiz Ferreira Monteiro
Modesto José Silva
Avelino Ferreira Almeida

Em 04/10/1887 pela Lei 3485 a Vila de Santo Antônio de Salinas foi elevada a categoria de cidade. Em 14/071891 sob a presidência da Câmara Municipal, era aprovado o estatuto do município de Santo Antônio de Salinas.

Em 16/06/1892 era instalada a Comarca de Santo Antônio de Salinas, sendo o nosso primeiro Juiz de Direito o Dr. Francisco de Assis Freitas e o nosso primeiro promotor de justiça o Tenente Coronel Rebeldino Pinto Coelho..

Em 07/09/1923, é mudada a denominação de Santo Antônio de Salinas para SALINAS / MG, e no ano de 1932 tomou posse o nosso primeiro prefeito municipal (nomeado), Dr. Clemente Medrado Fernandes.

A evolução urbana da nossa cidade, tem apresentado significativos progressos, acompanhando a dinâmica da vida moderna e em decorrência dos constantes empreendimentos de nossa municipalidade, nas últimas décadas.

No dia 24 de julho de 2010, a prefeitura do município de Salinas, norte de Minas Gerais, inaugurou a reforma da tradicional Praça Floriano Peixoto tendo como epicentro o antigo prédio da cadeia velha onde está instalada a Fundação de Cultura. O imponente prédio foi construído em 1922 e se constitui em um dos prédios antigos mais bem conservados da cidade histórica de Salinas que surgiu por volta de 1790, quando chegaram os primeiros moradores oriundos de Rio Pardo e fundaram o povoado de Santo Antônio de Salinas. 
A transformação da Cadeia Velha num Centro Cultural e do espaço ocioso numa confortável Praça conta com estrutura para teatro aberto, arquibancadas e palco.

Localizado no Centro de Salinas, ao lado do Mercado Municipal, o Minishopping Municipal de Salinas tem abrigado vendedores ambulantes, diversos comerciantes e prestadores de serviços. Foi inaugurado em 2013 e tem diversos tipos de serviços como: banca de revistas, comércio de roupas, bonés, óculos e consertos de aparelhos eletrônicos.

Inaugurado em Dezembro de 2012, a instituição retrata todo ciclo de produção da aguardente, desde o cultivo de cana de açúcar, a produção artesanal da cachaça de alambique até sua comercialização.
As salas expositivas reúnem painéis fotográficos, áudios, vídeos, uma enorme instalação com garrafas de cachaça produzidas em Salinas (1.750 garrafas, numa instalação de 9 metros de altura), equipamentos utilizados nos alambiques e nichos para experiência sensorial das características da bebida. Imagens de Debret e Post ajudam a contar a história da introdução da cana de açúcar no Brasil.
O Museu da Cachaça é localizado na Avenida Antônio Carlos, 1250 – Bairro Casa Blanca.

Página 1 de 4

Prefeitura Municipal de Salinas - Praça Procópio Cardoso de Araújo, 07, Centro - Salinas/MG. CEP: 39560-000.